Siga O Caralho a 4 no Twitter e tenha todas as atualizações do blog na sua página pessoal.

@ocaralhoa4

sábado, 9 de abril de 2011

10 debuts

Inaugurando o marcador "listas", hoje, uma lista dos que foram, para nós, os 10 melhores debuts da história do Rock/Metal.

ps:Lembrem-se, isso é algo totalmente pessoal, logo, não venham encher o saco nos comentários dizendo que não entendemos nada por não citarmos suas bandas preferidas...
ps2: Vocês não vão achar Guns ou Nirvana aqui
ps3: Os "debuts mais importantes" não são, necessariamente, os "melhores".

Masterplan - Masterplan (2003)

O debut do Masterplan é simplesmente uma das maiores obrar primas do Metal. Um time de feras que contava com Roland Grapow (guitarra), Uli Kusch (bateria), Jørn Lande (vocais), Jon S. Eckert (baixo) e Janne Wirman (teclados), que diferentemente de alguns "super-grupos" por aí, fizeram jus aos seus nomes e compuseram um álbum praticamente perfeito, que dosa com perfeição a técnica e o feeling em uma mescla de Heavy e Power Metal tipicamente alemão. Pessoas, o álbum em si tem 11 músicas (fora bônus e tals) e, devo admitir que são 11 obras primas. Com letras lindas, canções melódicas, mas que, mesmo assim, não lembram em quase nada a antiga bandas dos mentores do grupo, além de vocais extremamente bem feitos e versáteis por parte do gênio Jørn Lande. Grapow deixou seu lado fritador um pouco de lado e apostou mais na técnica e no feeling. Kusch se mostrou um dos bateristas mais versáteis e criativos de metal, com conduções bem feitas e sempre pesadas. O baixo, mesmo sem aparecer tanto faz bem seu trabalho e os teclados compõe atmosferas, tampam alguns buracos e incrementam ainda mais alguns licks de guitarra. Do começo ao fim da audição, passamos por músicas que facilmente fariam estádios inteiros virem abaixo.

Firehouse - Firehouse (1990)

Como a maioria aqui sabe (pelo menos eu espero que saiba), no final dos anos 80 e início dos anos 90, a cena Hard Rock estava totalmente saturada, visto que milhares de bandas (isso não é exagero) sem talento e criatividade alguma surgiram e sufocaram tudo que estava ligado ao Hard Rock. O Firehouse nasceu nessa época, mas diferentemente da maior parte das bandas da época, não usava um visual totalmente carregado típico das bandas de Glam Metal. Também era composto por exímios instrumentista que souberam achar o meio termo entre a técnica e o feeling no debut do grupo. O primeiro álbum da banda, foi um auto intitulado lançado em 1990 e trás um Hard Rock potente e mais limpo, com guitarras extremamente bem tocadas, cozinha bem pesada e vocais extraordinários por parte de CJ Snare - um dos únicos vocalistas de Hard que realmente valem alguma coisa-. Do começo ao fim, a banda nos brinda com faixas festeira, com todo aquele feeling e energia que o Hard Rock tem, tudo isso tocado de forma técnica e divertida. Em suma, Firehouse é uma das melhores e mais injustiçadas bandas da história do Hard, visto que chegaram uns 5 anos atrasados. Mas de qualquer forma, esse debut vale por algumas discografias de bandas consagradas. Quem conhece a banda sabe disso...

Dio - Holy Diver (1983)

Ao contrário de que muitos pensam, Dio NÃO é a carreira solo do nosso lendário vocalista, a banda apenas se chama Dio, visto que seu nome já era conhecido graças a sua passagem pelas bandas Rainbow e Black Sabbath. Em 1983 a banda lança o seu debut: "Holy Diver", um verdadeiro marco na história do Heavy Metal. Aqui a banda nos apresenta um Heavy Metal clássico tocado de forma técnica por um time de estrelas que, além de Dio, contava com Vivian Campbell (Guitarra), Jimmy Bain (Baixo/Teclados) e Vinny Appice (Bateria). Com um "dream team" desses, acho que não é nem preciso comentar que o instrumental é de babar e que os vocais são simplesmente incomparáveis -alguém discorda?-. A faixa título e "Rainbow In The Dark" são lembradas até hoje como hinos dentro Metal. O disco alcançou ouro em 1984 e platina em 1989 e, esse "diabo" aí, era para ser apenas uma característica da capa do álbum, mas acabou sendo um mascote para todos os outros discos. Dio o apelidou-o de "Murray".

Alestorm - Captain Morgan's Revenge (2008)

Formado em 2006, o Alestorm não precisou de mais que um disco para estourar, visto a qualidade técnica e a singularidade do som do grupo. "Captain Morgan's Revenge" é um dos álbuns preferidos dos amantes tanto de Power quanto de Folk Metal. Tanto, que teve uma rápida e incrível repercussão após seu lançamento, além de receber ótimas críticas ao redor do mundo. O negócio, é que esses escoceses conseguiram mesclar ambos os gêneros de uma forma ainda não feita por nenhum outra banda, já que o grupo toca um Power Metal calcado em pesados riffs de guitarra, bateria coesa e teclados muito bem encaixados, sem todos aqueles "bululus", apenas compondo atmosferas épicas e solando (muito bem, por sinal). Mas o lance genial desses disco, é que esse Power vem acompanhado de violões, teclados, músicas épicas, saques, navios, rum, tapa-olhos e letras que contam histórias de piratas e, que dão um "charme" a mais ao som dos caras. Sem mais, esse é um álbum grandioso, outro dos que colocam muita discografia de bandas consagradas no chinelo.

Crashdïet - Rest In Sleaze (2005)

Se algum dia eu fosse indagado sobre os melhores discos de Hard Rock, Rest In Sleaze estaria entre os primeiros sem dúvida alguma. A banda, dita por muitos como superestimada, é uma das maiores do Sleaze Rock do mundo. O grupo se mostra extremamente esforçado e caprichado nesse disco, pois de cabo à rabo não se vê um defeito, deixando clara assim a qualidade dos membros e também a incrível capacidade de retornar no tempo, pois convenhamos, são poucas as bandas da última década que nos passam um sentimento tão anos 80 assim como o Crashdïet, visto que a musicalidade e levada do grupo é, no mínimo, contagiante. E essa animação, empolgação e euforia toda é simplesmente consequência desse disco, que, na minha opinião, é um dos melhores disco de Hard Rock lançados nos últimos 20 anos. Uma pena que o maior destaque desse disco, o vocalista Dave Leppard, foi vítima da fama, drogas e da depressão, o que o levou à decisão de suicídio. Então, fica a lembrança de Dave com este petardo aqui.

Sonata Arctica - Ecliptica (1999)

Os finlandeses do Sonata Arctica sempre foram um dos alvos preferidos das críticas e do público mais "tr00", visto que tocavam um Power Metal Melódico inundado de teclados, sendo assim, considerados uma pseudo cópia de Stratovarius. Bom, eu acho essa opinião totalmente sem sentido, visto que a banda tinha sim influência dos seus conterrâneos (e que banda de Power não tem influência dos caras?), mas faziam um som ainda mais veloz, "menos cristalino", com mais peso e teclados ainda mais marcantes. Tudo isso aliado a uma garra que nenhuma outra banda do gênero tinha mostrado até então. Ecliptica, o debut do grupo, não apresenta nada inovador em termos musicais (a menos que você considerem teclados + teclados + teclados uma coisa inovadora), mas sim um som extremamente bem composto e tocado de forma magnífica. Um disco que passa por todos os caminhos que o Power Metal trilhou, desde canções mais pesadas e velozes, músicas mais cadenciadas e as mais belas baladas do mundo metálico (pois essa sim é a marca registrada da banda). Os destaques do disco além da utilização dos teclados, ficam por conta do guitarrista Jani Liimatainen, um dos gênios mais subestimados das 6 cordas.

Avantasia - The Metal Opera (2001)

Avantasia é simplesmente o projeto mais ambicioso do Heavy Metal. Vindo da mente doentia de Tobias Sammet, que já contava com algum reconhecimento por parte do Edguy, o grupo juntou os maiores nomes do Metal mundial em discos que contam uma saga poderosa de guerreiros e de um mundo fantasioso. O instrumental se dá por parte de caras do nível de Markus Grosskopf do Helloween, Henjo Richter do Gamma Ray e Alex Holzwarth do Rhapsody. Mas além disso, Tobbias chamou vocalistas do nível de Michael Kiske, Kai Hansen, André Matos entre outros, onde, cada um interpreta um dos personagens da história contada no álbum. Logo, o resultado é maravilhoso, visto que aqui temos uma mescla de Metal Melódico, Ópera, Sinfônico e Hard Rock feita por alguns dos maiores e melhores músicos do planeta. É tudo muito bem feito, composto, tocado e produzido e, a inclusão desse álbum na lista é totalmente justificável, pois temos 13 faixas que demonstram muita criatividade e talento dos músicos, em especial de Sammet que compôs o álbum.

Van Halen - Van Halen (1978)

Numa época em que o Hard do Kiss e Alice Cooper faziam Black Sabbath e Rolling Stones parecerem uma banda de velhos, vem o Van Halen e eleva a música a um patamar nunca antes visto. O disco é datado de 1978, mas ainda nos dias de hoje, soa extremamente atual. Nele tem de tudo. Refrões grudentos e inspirados, ouça "Runnin' With The Devil". Um cover, ou "o" cover. Escute "You Really Got Me". Uma das melhores músicas instrumentais da história, dê uma ouvida na clássica "Eruption". Uma faixa mais pesada e direta, sem muitas firulas: "Ain't Talkin' 'Bout Love". Um hardão animado e com um excelente riff, em "Feel Your Love Tonight". Uma canção que transborde inspiração e deixa os temas mais emotivos vir à tona, está em "Little Dreamer", que está longe de ser uma balada, mas está perto de ser uma das melhores músicas do disco! O álbum fez um sucesso gigantesco, vendendo quase 11 milhões de cópias pelo mundo e transformando o Van Halen numa das bandas mais lucrativas dos anos 80.

Pearl Jam - Ten (1991)

Ten é o primeiro álbum do Pearl Jam, lançado em 1991, um mês antes de lançado o Nevermind do Nirvana. Traz um som um pouco diferente do som feito pelo Nirvana e Alice In Chains na mesma época. Exalando grande vibração, a banda ficou famosa rapidamente lançando esse álbum. Os 5 jovens trouxeram grande empolgação nos shows. O disco praticamente inteiro fez sucesso, pois dele saíram grandes hits, como "Even Flow", que elevou a banda ao estrelato e foi a música mais tocada em shows do grupo; "Alive", que conta com um solo incrível feito por Stone Gossard, além de ter uma história bem doida por trás de sua letra; "Black", baladinha muito bem feita; "Jeremy", música que fala sobre um garoto que se matou na frente dos amigos de classe e da professora e "Oceans", outra baladinha que Vedder já disse ter escrito se baseando em sua prancha de surfe... se isso é verdade, eu não sei. "Once" abre o disco, música rápida e pesada. Outros destaques ficam para "Why Go", "Garden" e a poderosa "Release", que fecha o álbum.
por Rendrick Duarte

The Darkness - Permission To Land (2003)

"Numa fase em que predominam as canções tristes e as melodias sem nenhuma novidade, surge uma banda para tirar a música mundial desse sentimento autodestrutivo. Com o nome The Darkness - sua única referência quanto à tristeza - os aplicados irmãos guitarristas Justin e Dan Hawkins, o baixista Frankie Poullain e o baterista Ed Graham formaram aquela que foi considerada uma das melhores bandas de glam/hard rock dos últimos 20 anos. Com um vocal enérgico, um visual um tanto andrógeno - que lembra Jagger, Tyler e Mercury - e solos inspirados de guitarras, eles conquistaram o planeta." Li isso na edição nº 35 da revista Guitar Class, e isso resume tudo que eu falaria. "Permission To Land" é o álbum de estreia do The Darkness, lançado em 2003. É um disco espetacular. Numa época em que o rock estava em decadência, o disco chegou com tudo e logo se tornou sucesso. Em um ano de seu lançamento, foram vendidos mais de 1 milhão de cópias na Inglaterra. Trouxe o super sucesso "I Believe In A Thing Called Love", que foi tema de um casal gay em uma novela da Record. O dueto nas guitarras dos irmãos Hawkins são perfeitos, sincronia incrível nos solos e tudo mais. Outro single foi a excelente "Get Your Hands Off My Woman", que mostra toda a potência dos vocais de Justin. O disco traz também a bela balada "Love Is Only A Feeling". Destaques também para "Friday Night" (a 2ª melhor do álbum, na minha opinião), "Love On The Rocks With No Ice" e "Givin' Up". E só lembrando que depois de um tempo separados, esse ano, para a felicidade dos fãs, a banda volta.
por Rendrick Duarte

E é isso. Poderiam entrar no post, álbuns como "Led I", "Skid Row", "Dirty Rotten Filthy Stinking Rich", "Too Fast For Love", "Cast Into Fields Of Evil Pleasure", "Melissa" e inúmeros outros discos. Mas creio que essa lista ficou boa e ampla e, convenhamos, não tem disco ruim aí...

10 comentários:

luana bueno da silveira marsola disse...

Van Halen, Sonata e Pearl Jam *-*

Ulisses disse...

Faltou Melissa do Mercyful Fate mas eu te perdoo hmmmm XD

Iaago Van Halen disse...

do Darkness é bom, mas o do Skid entraria facil no lugar dele

Iaago Van Halen disse...

do Van Halen nem comento *-----------*

Iaago Van Halen disse...

o do Dio entao, rula demais, toca Holy Diver no GTA Vice City Stories direto

Ninguém disse...

GTA facts uaehuaeHAeuihaEUIHAEuihaeUI

Rendrick Perry disse...

Achei interessante a ambição do Avantasia. Vou baixar esse disco pra ver como é. Acabei de baixar o do Firehouse pra ver como é e já coloquei o do Crashdïet pra baixar. Agora, os debuts do Pearl Jam, do Van Halen e do The Darkness matam a pau (inclusive to na última música do Permission To Land aqui).

Não acho que faltou o debut do Led, porque, se tratando do Led Zeppelin, tem que falar do Led I ao Coda, sem esquecer dos álbuns ao vivo ainda ;P

Luis Guilherme disse...

Pearl Jam.. sem dúvida... vi o show do crash diet ano a passado aq no SWU... o som tava uma meda e não ajudou muito....

Ninguém disse...

SWU é apelação D: o pior festival de música do Brasil -q Mas falaram que o show deles em Sampa foi de chutar bundas (:

Artur Barz disse...

Dessa lista, o q forçou a amizade mesmo foi sonata artica...

Essa eu tiraria sem pensar duas vezes...

Ah sim, concordo com os comentários anteriores...Deveria ter os debuts do Led e do Mercyful...

Postar um comentário